Coluna de: Adriano Torres - MTB 0083917/SP - Entretenimento

O filme só será lançado em dezembro mais já está causando euforia entre os fãns, “AQUAMAN”, um dos filmes mais esperados deste segundo semestre de 2018 já bate recordes de visualizações nos trailers, a quem diz que o grandalhão Jason Momoa nasceu para viver o Aquaman, assim como Robert Downey Jr. incorporou o famoso HOMEN DE FERRO. O longa espera superar filmes como “Homem Formiga” e “Pantera Negra” tanto na bilheteria quanto na popularidade.
LANÇAMENTOS DE AGOSTO
“O Nome da Morte”, “Mamma Mia: Lá Vamos Nós Denovo”, “Mega Tubarão”, “Vidas à Deriva”, “Mentes Sombrias”, Denzel Washington nas telonas em “O Protetor 2”, “Escobar – A Traição”, “O Chamado do Mal”, Leandro Hassum de volta em “O Candidato Honesto 2”, uma sequência aguardada “Deus Não Está Morto – Uma Luz Na Escuridão” entre outros.
Na dica deste mês, voltaremos ao ano de 1999, onde um relacionamento incomum e comovente de lados opostos da vida, unem um prisioneiro (Michael Clarke Duncan) no corredor da morte por um crime brutal, e um carcereiro (Ton Hanks) designado a cumprir a lei. “A Espera de um Milagre”, escrito por Stephen King e dirigido por Frank Darabont que já tinham trabalhado juntos em “Um Sonho de Liberdade”, é daqueles filmes que de tão cativante não vê o tempo passar, com 188 minutos mesmo com os créditos subindo, você tem certeza de que não é  necessário uma continuidade, pois o filme ficará em sua mente por muito tempo.
E uma coisa interessante, pelo menos na minha visão, o personagem principal é o vivido por Ton Hanks, mas, é Coffey (Michael) que fica pulsante em nossas mentes, não que Hanks tenha sido ruim, muito pelo contrário, mas, é que a gentileza e o jeito de ser do condenado nos faz estar ligados a ele, eu até arrisco o fato de que chamou bastante atenção o fato de um homem daquela estatura e condições físicas conseguir montar um personagem tão vulnerável e gentil, é um contraste muito bem construído.
Com certeza extremamente aconselhável conferir este lindo filme, e se já assistiu pode revê-lo e revivê-lo novamente. Classificação: (4 estrelas)
HOMENAGEADO
Stanley Kubrick nascido em 26 de julho de 1928, no Bronx em Nova York, apesar de ter dirigido apenas 13 longas-metragens em seus 70 anos de vida, foi o suficiente para conquistar a todos, e o mais curioso é que foram 13 as indicações ao Oscar e sua única vitória não foi como diretor ou roteirista, mas pelos efeitos especiais de “2001 – Uma Odisséia no Espaço”.
Kubrick começou sua carreira os 17 anos como fotógraf, depois de produzir alguns curtas metragens aos 25 anos mais já dirigia e produzia seu primeiro longa, depois de ser ajudado pelo seu pai financeiramente e até penhorar sua casa nascia “Fear and Desire, Medo e Desejo” o curioso é que Kubrick odiou seu trabalho o julgando amador e tratou de retira-lo de circulação. Dois anos depois veio “Killer’s Kiss -  A Morte Passou Por Perto”, que também não o agradou. Ele foi persistente mesmo não obtendo o sucesso esperado anteriormente, até que a partir de “The Killing – O Grande Golpe” de 1956 e “Paths of Glory – Glória Feita de Sangue” de 1957 sua carreira começou a deslanchar.
Em 1960 dirigiu seu primeiro épico, “Spartacus”, inicialmente Anthony Mann seria o diretor, mas, em virtude de desentendimentos com o elenco, Kubrick assumiria a direção, com pouco mais de 30 anos, foi subestimado pelos os principais nomes do elenco (Laurence, Charles  e Peter), mas conseguiu mostrar seu talento.
Em 1962 dirigiu “Lolita”, dois anos depois “Dr. Fantástico”, em 1968 nasce um marco no cinema moderno, “2001 – Uma Odisséia no Espaço”, seguido pelo polêmico e violento “Laranja Mecânica”, onde em uma Inglaterra futurista uma gangue de adolescentes se "diverte" estuprando e praticando violência, criticado, Kubrick chegou a declarar que Tom e Jerry era pior, pois mostrava a violência de forma positiva. 
Em 1975, “Barry Lyndon”, cinco anos depois a obra prima “O Iluminado”, em 1987, seria a vez de focar na guerra do Vietnã “Nascido Para Matar”, preocupado  com a perfeição foi prejudicado, enquanto tentava fazer um filme realista, Oliver Stone lançava um ano antes o Platoon muito semelhante.
Em 1999, ele concluiria após três anos, seu último filme, “De Olhos Bem Fechados”, mas antes mesmo da estréia ele vinha a falecer, este último não teve uma boa aceitação do público.
Excêntrico, não gostava de dar entrevistas, mas aparece no making of de “O Iluminado”, produzido pela sua filha Vivian. Um mestre, na vida e na arte...
 
FESP

TV Bixiga News

TV BIXIGA NEWS

Entrevistas, comerciais, notícias e acontecimentos do bairro...

CLIQUE AQUI PARA ASSISTIR

Fotos Históricas

Última Edição