Coluna de: FESP - FACULDADE DE ENGENHARIA SÃO PAULO - Faculdade

Segundo a consultoria de recrutamento Page Personnel, especializada em cargos técnicos e de suporte à gestão, a demanda por alguns tipos de engenheiros em 2018 foi 35% maior do que em 2017 e deve crescer ainda mais neste ano. O crescimento na procura foi efeito de um movimento de reposição de funcionários, não se tratando, ainda, de aumento nos quadros de funcionários, o que está previsto para o ano que acaba de começar. 
O momento atual segue difícil para a grande parte das áreas de engenharia no Brasil. Profissões como engenheiro naval continuam na lista das carreiras em baixa no Brasil. Contudo, não é o que ocorre na área da engenharia elétrica, por exemplo, que abrange os cargos de engenheiros mais procurados no mercado, como engenheiro de projetos, de manutenção, de aplicação, entre outros.    
No ano anterior, a área industrial voltou a recrutar engenheiros e técnicos, depois de anos em marcha lenta, desde 2015, quando as áreas industriais foram muito afetadas, com menos projetos e menos vendas e grande queda no número de posições. Três anos depois, os sinais de crescimento nas contratações de engenheiros vêm dos setores automotivo e químico. 
A indústria automotiva, que possui toda uma cadeia de fornecedores que tem o mercado movimentado por ela, foi a área da engenharia que retomou a economia de forma uma forma crescente em 2018, abarcando diversas atuações da engenharia elétrica. O maior volume de contratações ocorre na região Sudeste.
Confira os cargos de engenheiros eletricistas mais buscados pela Page Personnel em 2018 e que devem continuar em alta em 2019.
Engenheiro de Aplicação
O que faz: é o “braço” técnico do executivo de vendas porque é especialista no que diz respeito aos produtos e/ou serviços ofertados.  O suporte do engenheiro de aplicação é em todas as etapas: negociação, apresentação e definição da proposta. “Ajuda na parte técnica da venda, do desenho da proposta à precificação”, diz Trindade.
Perfil: formação em engenharia, nas mais diferentes áreas.
Salário: de 8 mil a 12 mil reais.
Por que está em alta: a retomada de produção e vendas na indústria faz com que empresas busquem esses perfis com o objetivo de conquistar novos clientes e projetos. “Todas as indústrias contratam esse tipo de engenheiro”, diz Trindade.
Engenheiro de Manutenção
O que faz: toda a programação de manutenção preventiva e corretiva. Controles de KPIs e gestão junto ao time de produção para o melhor funcionamento das máquinas e toda linha de produção.
Perfil: formação em engenharia, com foco nas habilitações: elétrica, mecânica, automação e mecatrônica.
Salário: de 8 mil a 10 mil reais.
Por que está em alta:  é um profissional que foi mais procurado com a crise já que as linhas de produção, em queda de produtividade, estavam livres para manutenção de rotina. A redução na aquisição de novas máquinas também exige melhor gestão do parque fabril.
 
 
 
Fogo Bravon

TV Bixiga News

TV BIXIGA NEWS

Entrevistas, comerciais, notícias e acontecimentos do bairro...

CLIQUE AQUI PARA ASSISTIR

Fotos Históricas

Última Edição